quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Resenha de "A Hospedeira"


Sinopse:
Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam. [SKOOB]
É uma ótima estória de ficção-científica. Ela se passa no futuro, em uma época onde a guerra deu lugar à paz, onde a competitividade deu lugar à cooperação, onde todos trabalham e fazem sua parte sem a necessidade de salários ou recompensas, mas simplesmente por querer ajudar a comunidade. Para atingir esse nível de civilidade, o planeta Terra só precisou fazer uma coisa: ser conquistado. Neste mundo, os humanos servem apenas de "hospedeiros" para as "almas alienígenas" (seres similares aos Goa'ulds de Stargate: SG-1, ou os invasores do episódio "Conspiracy" de Star Trek: TNG), sendo essas as verdadeiras responsáveis por esse mundo pacífico.

A estória não é narrada por um dos poucos "humanos selvagens" restantes, mas por Peregrina, uma dessas novas habitantes do planeta. Tendo experiência de ter vivido como uma grande variedade de seres, em quase todos os planetas que sua espécie colonizou  ela é inserida no corpo de Melanie Stryder, uma das poucas selvagens restantes. Apesar de sua experiência, Peregrina não consegue acessar todas as memórias de sua hospedeira devido a uma barreira estranha. Dentre todos os hospedeiros que teve, nunca havia encontrado um com uma consciência que permanecesse após a inserção e, ainda por cima, tivesse condições para bloquear memórias. Apesar de ser avisada de que, pelo menos uma vez, um hospedeiro  reassumiu o controle, Peregrina acredita ser forte o suficiente para lidar com a situação.

Com o passar do tempo, a situação muda. Peregrina consegue extrair, durante o sono, informações ocultadas por Melanie, como a existência de dois companheiros (o irmão caçula, Jamie, e a paixão de Melanie, Jared), e um possível esconderijo feito por Jeb, um tio excêntrico da hospedeira. Entretanto, Melanie fica mais forte; não apenas é capaz de provocar sensações desagradáveis em Peregrina (que acha as emoções humanas muito complicadas) como passa a dialogar com ela.

Preocupada por Melanie não desaparecer, Peregrina decide viajar a procura de Ford Águas Profundas, o curandeiro responsável por sua inserção. No caminho, Melanie a convence a desviar e seguir as pistas de Jeb em busca do amado Jared. Após cruzar o deserto, são encontradas por Jeb, sendo feitas prisioneiras pelo grupo de humanos do deserto.

Peregrina, que sempre conheceu a paz, toma contato com a violência e o medo. A inacreditável ideia de uma consciência humana resistir à uma "lacraia" alienígena seria considerado, pelos humanos, uma mentira de um buscador a procura de novos hospedeiros. Entre os humanos enfurecidos, para desespero de Melanie, está Jared. Peregrina conhece a angústia, sendo bombardeada pelos sentimentos e lembranças românticas de Melanie sobre Jared enquanto, para manter-se viva, esconde a verdade, sendo vigiada por ele.

Com o tempo, a poeira assenta e os habitantes do esconderijo se acostumam com "Peg" (apelido dado por Jeb), mas a situação não melhora. Antes Peg tinha que lidar com a paixão de Melanie e o ódio de Jared, agora havia Ian, que se afeiçoara a Peg, irritando Melanie. Somado a isso, ela conhece a doença, a agonia (que seriam facilmente curadas pelos medicamento alienígenas) e a consequente morte. Nesse esconderijo, a compaixão vem de quem ela temeria e o ódio de quem amaria. Assim como aconteceu com Melanie, a existência de Peregrina não é mais o que era.

O livro tem pouca ação, visto que é composto basicamente pelos pensamentos de Peregrina e Melanie, mas muito é tratado: o conflito entre as expectativas e a realidade, entre a atração pelo corpo (Jared pela hospedeira Melanie) contra a simpatia pela personalidade (Ian pela alma Peg) e entre a humanidade real e a idealisada (humanos selvagens contra invasores). O final é, de certa forma, previsível, mas agradável. No fim, o que podemos concluir é que apenas a compaixão pode salvar a humanidade.


O Filme

No final de março estreia o filme "A Hospedeira", roterisado e dirigido por Andrew Niccol ("O Preço do Amanhã" e "Gattaca"). Conhecendo o trabalho deste excelente cineasta, sei que a estória está em boas mãos. O livro conta ainda com Saoirse Ronan (de "Um Olhar do Paraíso" e "Cidade das Sombras"), no papel de Melanie; Max Irons (de "A Garota da Capa Vermelha" e "O Retrato de Dorian Gray"), no papel de Jared; Jake Abel (de "Eu Sou o Número Quatro" e "Percy Jackson e o Ladrão de Raios"), no papel de Ian; Chandler Canterbury (de "Repo Men" e "Além da Vida"), no papel de Jamie; e o experiente William Hurt (de "Robin Hood [2010]" e "O Incrível Hulk"), no papel de Jeb Stryder. Estou ansioso por ver como essa estória será adaptada para o cinema.


A Autora

Stephenie Meyer (nascida no dia 24 de dezembro de 1973, em Hartford, Conectcut, EUA) é formada em literatura inglesa na Brigham Young University e ganhou status de celebridade com a repercussão da série Crepúsculo. Ela vive atualmente no Arizona e já veio ao Brasil, em novembro de 2010, juntamente da equipe de filmagem de Amanhecer, longa-metragem de que foi produtora oficial. [Intrínseca / Wikipédia]

P. M. Zancan

Layout exclusivo do blog - Noites Malditas | Feito por: Alice Grunewald | Tecnologia do Blogger | Cópia total ou parcial é proíbida ©