segunda-feira, 28 de maio de 2012

Resenha de Viva para Contar



Sinopse:
Em uma noite quente de verão, em um bairro de classe média de Boston, um crime inimaginável foi cometido: quatro membros da mesma família foram brutalmente assassinados. O pai — e possível suspeito — agora está internado na UTI de um hospital, entre a vida e a morte. Seria um caso de assassinato seguido por tentativa de suicídio? Ou algo pior? D. D. Warren, investigadora veterana do departamento de polícia, tem certeza de uma coisa: há mais elementos neste caso do que indica o exame preliminar.
Danielle Burton é uma sobrevivente, uma enfermeira dedicada cujo propósito na vida é ajudar crianças internadas na ala psiquiátrica de um hospital. Mas ela ainda é assombrada por uma tragédia familiar que destruiu sua vida no passado. Quase 25 anos depois do ocorrido, quando D. D. Warren e seu parceiro aparecem no hospital, Danielle imediatamente percebe: vai acontecer tudo de novo.
Victoria Oliver, uma dedicada mãe de família, tem dificuldades para lembrar exatamente o que é ter uma vida normal. Mas fará qualquer coisa para garantir que seu filho consiga ter uma infância tranquila. Ela o amará, independentemente do que aconteça. Irá protegê-lo e lhe dar carinho. Mesmo que a ameaça venha de dentro da sua própria casa.
Na obra de suspense mais emocionante de Lisa Gardner, autora best-seller do The New York Times, a vida dessa três mulheres se desdobra e se conecta de maneiras inesperadas. Pecados do passado são revelados e segredos assustadores mostram a força que os laços de família podem ter. Às vezes, os crimes mais devastadores são aqueles que acontecem mais perto de nós. (Editora Novo Conceito – Viva para Contar)

Posso afirmar que, dentre todos os livros policiais que li neste ano, “Viva para Contar”, de Lisa Gardner, é o melhor. Apesar de ser o quarto volume de uma série sobre a investigadora D. D. Warren, não há necessidade de ler os anteriores para compreender a estória (assim como “O Código Da Vinci”, e “O Espião”). Além de personagens muito bem descritos, Gardner é extremamente hábil para narrar cenas de ação, transmitindo ao leitor toda a tensão sentida pelos personagens.

O Livro é narrado por três perspectivas: D. D. Warren, Danielle Burton e Victoria Oliver. A primeira (narrada em terceira pessoa) trata da investigação policial; a segunda e a terceira (em primeira pessoa) narram respectivamente as vidas de Danielle e Victoria.

D. D. Warren é uma mulher inteligente, esbelta e com um apetite voraz que, beirando os 40 anos, percebe ter aberto mão de sua vida pessoal (filhos, marido ou mesmo um simples namorado) em detrimento do sucesso profissional. Ironicamente, em meio a um promissor “encontro as cegas”, ela é convocada para trabalhar em uma incomum investigação: um massacre de uma família inteira. A conclusão, de o pai ter matado a todos antes de suicidar-se, é questionada por D. D., apesar de ser considerada óbvia por Alex, um instrutor da academia de polícia que encontra-se inserido temporariamente na equipe de Warren. A cada resposta encontrada, novas perguntas surgem, revelando um mistério muito mais complexo do que estes experientes investigadores poderiam imaginar.

A enfermeira Danielle Burton (que narra o prólogo) se considera uma “sobrevivente”. Após 25 anos, ela ainda se lembra de ter presenciado o suicídio do pai após este matar a esposa e filhos. Danielle viveu para contar, mas não para entender. o motivo de ainda estar viva. Estaria ela viva por ser a preferida de seu pai, sendo poupada da morte, ou por ser a mais odiada, sendo privada da companhia de sua mãe e de seus irmãos? Apesar de se esforçar para enterrar este questionamento o máximo possível, procurando seguir uma vida normal (trabalhando na unidade psiquiátrica infantil de um hospital), é nesta época do ano, o aniversário do incidente, que as lembranças mais doloridas de seu passado ressurgem.

Victoria Oliver é uma mãe de família dedicada que, junto com o marido, enfrentou e venceu dificuldades para conseguir uma idealizada vida de conforto e felicidade em família. Entretanto, por caprichos do destino, seu mundo perfeito é abalado quando um transtorno mental atinge um amado membro de sua família. Em nome do amor ao ente querido, ela sacrifica a própria felicidade e segurança física, sujeitando-se a uma vida de isolamento, paranóia e privações.

Estas três personagens são complexas e muito bem descritas, em especial Danielle e Victoria. A qualidade da escritora na construção dos personagens é evidenciada não só no raciocínio de Danielle e Victoria, mas principalmente quando Danielle começa a interagir com Warren. As opiniões de uma em relação à outra e em relação aos demais personagens (como o terapeuta Greg ou o investigador Alex) demonstram que cada uma tem do mundo, ora similares, ora conflitantes.

Outro aspecto importante deste livro está no ponto central da trama: crianças com problemas psiquiátricos. São crianças que, devido a traumas ou a doenças, acabam desenvolvendo transtornos que podem por em risco suas próprias vidas e a daqueles ao seu redor. São crianças que surgiram tanto em lares ideais como em lares impróprios; filhos de pais dedicados, de pais negligentes ou mesmo de pessoas más e cruéis. É o caso onde nem sempre a conclusão óbvia é a correta, onde nem sempre o amor e dedicação são suficientes e onde tanto a melhor como a pior das intenções podem ser fatais.

A qualidade principal deste livro, se tratando de uma estória policial, está no suspense. A cada pista desvendada e a cada suspeito analisado, outros surgem com igual ou maior mistério. Ao final do livro, as opções começam a se reduzir, levando a uma conclusão tão surpreendente quanto dinâmica e emocionante.

Ao terminar este livro, fica-se ansiando o lançamento de outras obras desta hábil escritora, seja da série da investigadora D. D. Warren ou de outras séries já publicadas lá fora. 



A Autora


Lisa Gardner é uma autora americana de ficção. Ela é autora de vários thrillers, incluindo “The Killing Hour” e “The Next Accident”. Ela também escreveu romances sob o pseudônimo de Alicia Scott. Criada em Hillsboro, Oregon, ela se formou pela Glencoe High School de sua cidade. Como evidenciado por seu trabalho de 2003, “The Killing Hour”, Gardner tem sido fortemente influenciada pelo sucesso de bilheteria e best-sellerO Silêncio dos Inocentes”. Seu romance “Gone” é definido em uma versão fictícia de Tillamook, Oregon. Des de 2007, Gardner mora em New Hampshire. (tradução livre – Skoob)


P. M. Zancan

Layout exclusivo do blog - Noites Malditas | Feito por: Alice Grunewald | Tecnologia do Blogger | Cópia total ou parcial é proíbida ©