quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O Julgamento de Gabriel resenha por Susana



Eles estão vivendo uma paixão arrebatadora. Mas muitas pessoas são contra esse amor. Gabriel Emerson e Julia Mitchell se conheceram há muito tempo, quando ela ainda era adolescente, numa noite mágica e confusa. Mas, apesar de todo o sentimento que nasceu entre eles, no dia seguinte seus caminhos se separaram. Anos depois eles se reencontraram quando Julia começou o mestrado na Universidade de Toronto. Gabriel era um professor enigmático, sedutor e muito arrogante que a atormentava e perseguia. No entanto, o que mais fazia Julia sofrer era ele não se lembrar dela. Mas nem mesmo o insensível Gabriel é capaz de resistir à profunda conexão que existe entre eles e logo os dois embarcam numa tórrida paixão proibida. Com o fim do semestre e do curso ministrado por Gabriel, eles deixam de ser professor e aluna e enfim estão livres para viver seu amor. Ou pelo menos era o que pensavam. Após uma viagem romântica para a Itália, durante a qual Gabriel ensina a Julia todos os mistérios do prazer e, em troca, aprende com ela o significado do amor verdadeiro, os dois veem seus sonhos ameaçados. Duas denúncias junto ao Comitê Disciplinar da Universidade põem em risco o emprego de Gabriel e a carreira brilhante e promissora de Julia. Será que o professor vai ceder às ameaças ou irá lutar até o fim por sua amada? Será que essa paixão conseguirá resistir a um julgamento implacável? Na apaixonante sequência de “O inferno de Gabriel”, Sylvain Reynard constrói uma bela história de amor, da qual os leitores jamais se esquecerão.SKOOB
Apos terminar rapidamente a leitura de O Inferno de Gabriel, fiquei muito curiosa pela continuação, tão curiosa que ("senhor, confesso que pequei") li um ebook porque queria comprar o livro na bienal, e assim o fiz.

O livro inicia  mostrando a relacao de Julie e Gabriel, tanto a relação carnal como a relação publica deles; já que com o final do semestre eles não são mais professor e aluna. O que eles não sabiam é que a cobra ia dar o bote, e ela deu. Christa (cujo nome não nos remete a megera, mas ela é da pior qualidade), denuncia a relação entre o casal como se eles fosse namorados antes de terminar o semestre, o que seria uma mancha que nunca seria apagada no currículo de Julie. Tudo isso se deve ao fato de Christa ter notado que perdeu Gabriel de uma vez por todas.

Nesse livro, o meu lado ciumento aflorou de vez, Gabriel e o fantasma de Paulina me deixaram profundamente irritada, poxa se não quer mais a mulher manda ela pastar (o pobre PMZANCAN sofre comigo porque eu me envolvo com o que leio e estava mais ciumenta que o normal). Julie estava confusa e essa Paulina não ajuda muito, ficou irritante e lembrava muito Bela do Crepúsculo nessa fase de se fazer de sofredora. Paul praticamente desapareceu e a orientadora de Julie entrou com sua rabugice do bem. Finalmente a vilã mostra a que veio, o que é ótimo: nada irrita mais do que um vilão que fica no "chove e não molha". Gabriel entra numa onda de auto conhecimento e isso é importante para a virada do livro. O final é imprevisível; esse livro tem uma cara de final de saga e isso me deixa curiosa de que poderá vir no terceiro, e talvez último, livro. Digo talvez porque outras trilogias já vão virar serie.

Continuamos com a narrativa em primeira pessoa, mas agora temos uma mescla de narrador, não conto o porquê, e com isso percebemos o quanto ele é obscuro.

Para você que leu o primeiro livro, o segundo é uma grata surpresa e nos instiga a o que pode acontecer ainda no terceiro (eu já espero uma coisa que não posso contar porque pode estragar o livro). Recomendo a leitura e fico na expectativa do terceiro.



Layout exclusivo do blog - Noites Malditas | Feito por: Alice Grunewald | Tecnologia do Blogger | Cópia total ou parcial é proíbida ©